OIA - Organización Internacional Agropecuaria | Servicio Internacional de Certificación
OIA - Organización Internacional Agropecuaria | Servicio Internacional de Certificación OIA - Organización Internacional Agropecuaria | Servicio Internacional de Certificación

Orgânicos

A agricultura orgânica é um sistema de produção livre de pesticidas e fertilizantes de síntese química; favorecendo assim a sustentabilidade dos sistemas e o cuidado dos recursos naturais. Entendem-se como sinônimos de orgânico, biológico e ecológico.

A OIA conta com programas de certificação de produções orgânicas diferenciados segundo o mercado final onde será comercializado o produto:
  • Argentina
  • União Europeia
  • Brasil
  • Estados Unidos
  • Suíça
  • Canadá
  • Japão
  • Reino Unido
  • Outros destinos
Como é o processo de certificação Orgânica?
  1. O processo começa quando o produtor, elaborador e/ou comercializador se reúne com a OIA para apresentar o projeto a ser certificado. Ele é analisado nesta primeira etapa, selecionando as normas sob as quais será iniciado o processo de certificação.
  2. Diante da solicitação de certificação e assinatura de contrato, é realizado o intercâmbio de documentação e informação requerida pelo Programa entre o cliente e a OIA.
  3. Depois de realizar a inspeção, prepara-se um relatório do qual podem, ou não, surgir não-conformidades. O cliente está certificado depois de um relatório positivo com ausência de não-conformidades.
  4. Finalmente, é reiniciado o ciclo para a supervisão.

Para a Argentina
Desde 1991, a OIA conta com um programa de certificação para produções orgânicas com destino ao mercado interno. A certificação é realizada nas diferentes etapas: produção primária, processamento e comercialização.

Em 1998, nasce a Lei nacional 25.127 de produção orgânica, sendo um dos primeiros países do mundo em possuir uma lei que regule este tipo de produções.

Habilitada pelo SENASA, reconhecida pela União Europeia (UE) e acreditada pela IFOAM (Federação Internacional de Movimentos para a Agricultura Orgânica), a OIA certifica as principais produções agropecuárias do país e sua agroindústria associada (lácteos, carnes, mel, cereais, oleaginosas, hortaliças, aromáticas, frutas, farinhas, óleo, sucos, polpas, vinhos, produtos processados, etc.), garantindo sua qualidade de serviço com mais de 2.000.000 de hectares sob certificação.

União Europeia
A Argentina é considerada como terceiro país equivalente para a certificação de produtos orgânicos com destino à União Europeia.

A OIA certifica seus produtos seguindo as maiores exigências do mercado orgânico mundial sob o Regulamento 834/2007, que regula a produção e rotulagem de produtos orgânicos/biológicos/ecológicos na União Europeia.

A OIA oferece uma certificação com respaldo de experiência para todas as cadeias de agronegócios. Certifica produtos de origem animal, origem vegetal, processamento de bebidas e alimentos, têxteis e cosmética, entre outros.

Brasil
No ano 2002, a Organização Internacional Agropecuária - OIA abriu seus escritórios em São Pablo, Brasil. Iniciou seus trabalhos na certificação orgânica para o mercado interno e, junto com a OIA Argentina, para outros mercados do mundo.

A partir de janeiro de 2011 entra em vigência a nova norma orgânica brasileira Lei N° 10.831.

A OIA oferece uma certificação com respaldo e experiência em todas as cadeias de agronegócios, certificando produtos de origem animal, origem vegetal, processamento de bebidas e alimentos, têxteis e cosmética, entre outros.

Estados Unidos
Desde outubro de 2002, para poder ingressar produtos orgânicos nos Estados Unidos, eles devem cumprir com o Programa Nacional Orgânico NOP (National Organic Program). Este programa está regulado pelo USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos), organismo que acredita a OIA para certificar sob estas normas.

A OIA é a primeira certificadora na Argentina acreditada pelo USDA, e alcançou seu reconhecimento antes da data limite disposta pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, permitindo assim a exportação dos produtos orgânicos para esse destino

A OIA, como certificadora internacionalmente reconhecida, encontra-se trabalhando com projetos de certificação NOP fora da Argentina (Brasil, México, Paraguai, Uruguai e Nicarágua, entre outros.)

Estados Unidos assinou um acordo de equivalência entre sua norma e a do Canadá, através do qual todo produto orgânico certificado sob a norma COR (Canadian Organic Regime) pode ingressar no mercado americano e vice-versa.

Suíça
A Organização privada BIO SUISSE é a associação de agricultores orgânicos suíços. BIO SUISSE proporciona seu selo a produtos importados que cumpram com a normativa orgânica da UE e diferentes condições referentes à política de seu mercado.

A OIA é reconhecida pelo BIO SUISSE para o ingresso de produtos com destino à Suíça.

Se desejar obter o reconhecimento sob este Programa, é importante que leve em conta as seguintes considerações:
  • Só é possível importar produtos que os agricultores orgânicos da Suíça não cultivam, ou que eles produzem em quantidade insuficiente.
  • Deve-se contar com a contraparte importadora na Suíça.
  • É proibido o transporte aéreo.
  • A transformação ocorre na Suíça, desde que esta medida seja possível e sensata.
  • O fluxo de mercadorias é rigorosamente controlado (Comprova-se a rastreabilidade de cada produto até o produtor).

Para mais informações, acesse a página www.bio-suisse.ch

Canadá
A OIA se encontra acreditada pelo Canadian Food Inspection Agency desde o nascimento da norma do Canadá (COR – Canadian Organic Regime), para certificar produtos orgânicos em cumprimento dos requerimentos desta norma. O Canadá assinou um acordo de equivalência entre sua norma e a dos Estados Unidos, através do qual todo produto orgânico certificado sob a norma NOP (National Organic Program) pode ingressar no mercado canadense e vice-versa.

Para mais informações, acesse www.inspection.gc.ca

Japão
O regime de certificação para produtos orgânicos no Japão (JAS - Japanese Agricultural Standard) entrou em vigência em abril de 2001. A Argentina conseguiu obter o reconhecimento de equivalência com a norma JAS.

Esta equivalência significa que qualquer produto certificado pela norma argentina poderá ingressar no Japão apenas com a apresentação do certificado argentino.

A vantagem que tem este acordo é conseguir ter acesso ao mercado japonês certificando pela norma argentina. Ele apenas contempla os produtos de origem vegetal e seus processados. Ficam excluídas a produção animal e as bebidas alcoólicas.